Quem somos

O Território Inventivo é um projeto do Observatório de Favelas que objetiva criar um conjunto de ações de arte, cultura, lazer e entretenimento articulados no território da maior favela do Rio de Janeiro e uma das maiores do Brasil: a Favela da Maré. Trata-se de uma experiência ampla de formação, produção e comunicação no âmbito da economia criativa da cultura, lato senso, constituindo um arranjo territorial que implicará a mobilização qualitativa de agentes do estado, do mercado e da sociedade.A proposta é promover um ambiente de diversidade de ideias, técnicas e recursos sob os princípios da integração solidária, da parceria colaborativa e da gestão participativa, com o objetivo de promover o desenvolvimento socioeconômico integrado e duradouro que consolide e amplie direitos cidadãos fundamentais em espaços populares.

No Projeto Político Pedagógico do Território Inventivo estão expostas as proposições para desenvolvimento futuro, as principais ações que serão realizadas, e também os três objetivos centrais deste projeto, estes são:

1. Criar uma rede colaborativa dedicada à formação, à produção e à difusão do conhecimento de conceitos, metodologias e tecnologias sociais, sobretudo tendo as favelas e periferias urbanas como sua referência prático-simbólico.

2. Organizar e mobilizar uma ampla rede de agentes e equipamentos artísticos e culturais capaz de ativar processos criativos e inovadores de produção, difusão e comunicação compartilhada. tendo como sua centralidade o Centro de Artes Visuais Bela Maré, objetivando o fortalecimento e a ampliação das condições de geração de trabalho e renda escala local da Maré e da cidade.

3. Construir uma agenda propositiva de qualificação urbana e valorização social da Favela da Maré, mediada por empreendimentos culturais, artísticos, técnicos e de comunicação.

As ações do Território Inventivo se dedicam, portanto, à criação de espaços de pesquisa, desenvolvimento e compartilhamento de tecnologias e metodologias aplicadas ao campo da cultura, da arte e da comunicação, tendo as favelas e as periferias urbanas como referências centrais. Neste sentido, a Pesquisa, por um lado, e a Formação e disseminação de conhecimento, por outro, podem ser identificados como os dois grandes eixos de ações propostas.

pesquisa

As pesquisas buscam desenvolver o mapeamento de práticas artísticas e culturais realizadas na Favela da Maré com objetivo de contribuir para elaboração e execução de políticas públicas que potencializem a inventividade de sujeitos em suas práticas situados no território. Destacam-se neste eixo o Diagnóstico de Empreendimentos Artísticos e Culturais da Maré, além de um conjunto de mapeamentos do território.

Formação e Disseminação

As ações que visam o compartilhamento e a difusão de conhecimento promovem experiências de formação especializada. O foco se dá na produção e o compartilhamento de conceitos, metodologias e práticas de pesquisa social, empreendedorismo em redes colaborativas de gestão e produção, inovação social, tecnologias de comunicação e economia criativa em espaços populares.

Para tanto, serão realizados o curso de formação “ O que é periferia, afinal? ” e oficinas sobre: comunicação colaborativa; e pesquisa em periferias; e espaços públicos e convivência. Também serão organizados seminários para intercâmbio de experiências de produção do conhecimento com atores locais, nacionais e internacionais em torno do Paradigma da Potência das periferias como referência para as mudanças globais da cidade contemporânea.

Desdobramentos

A produção de conhecimentos na perspectiva assinalada no Território Inventivo exige um novo tipo de instituição que supere as formas tradicionais como se estruturam, por exemplo, as universidades brasileiras, em geral. Os desafios assinalados também apontam a necessidade de ampliar a qualificação técnica, teórica e metodológica dos sujeitos sociais, em particular os oriundos dos territórios periféricos.

Nesse contexto o Projeto Território Inventivo é alicerce para a criação do Instituto João e Maria Aleixo de Souza, cujo objetivo primeiro é contribuir para a compreensão das formas, funções e processos que caracterizam os territórios periféricos no contemporâneo, levando em conta as práticas sociais dos seus sujeitos e suas formas de inserção no mundo social.